Sumário  

Capítulo 1 – Funcionamento manual da câmera

Capítulo 2 – Fotometria – Medindo luz (você está aqui)

Capítulo 3 – Photoshop – Técnicas aplicadas à fotografia

(clique no capítulo para abrir)

 

Capítulo 2 – Fotometria – medindo a luz.

Este provavelmente é o assunto mais importe do nosso curso, um dos fundamentos básicos para o sucesso de uma foto é o processo da medição da luz, a chamada fotometria. Toda máquina sendo SLR ou compacta tem um fotômetro embutido que calcula a exposição lendo a luz média refletida do assunto. Essa tonalidade é denominada como Cinza Médio ou Cinza 18%. A posição do ponto do auto-foco e a orientação da câmera (retrato ou paisagem) também podem contribuir para os cálculos..Toda cena que você enquadra, o fotômetro embutido faz os cálculos de exposição para deixá-la mais próxima do cinza médio ,que é uma tonalidade parecida com o que vemos.

A câmera dispõe de três modos para fazer a leitura da luz. São eles:

Multizone/Matrix/Avaliativo  image046

Ele analisa a totalidade do enquadramento feito pelo fotografo, ele mede altas luzes, baixas e medias. Fazendo uma média considerando também cor e distancia, com referência na tonalidade do cinza médio.

Indicado em: Para cenas de pouco contraste. Ele dá uma grande confiabilidade em situações onde não há grandes áreas claras e escuras. Use quando a luz for difusa e homogênea. Embora ele sirva para 60% das fotos, em uma cena de luz complicada e foto contra a luz, use outros métodos de leitura.

Exemplos de fotos medidas com esse modo:

image049

Ponderado central (Center-Weighted)image050

A leitura é mais centralizada. A área da fotometragem é aproximadamente de 10% a 13,5% na parte central enquadramento. Esse modo parcial dá ao fotógrafo muito mais controle sobre a exposição que qualquer outro modo, mas isso também significa que ele seja um pouco mais difícil de ser utilizado pelo menos no início.

image052

Olhando pelo viewfinder de uma câmera, a área em vermelho indicada onde será feita a leitura.

Quando usar:

Às vezes, quando a situação de luz é um pouco complicada, ele é útil porque você de forma seletiva, aponta para uma área ou objeto relativamente pequeno dentro de sua cena, evitando áreas muito claras ou escuras. Uma das aplicações mais comuns da fotometragem parcial são retratos em que você fotografa contra a luz, fazendo a medição no rosto da pessoa. Com certo treino você será capaz de determinar num enquadramento as áreas de tonalidade média, de modo que facilite a fotometria.

Exemplo de fotos medidas com esse modo:

image055

Spot  image056

Esse modo lê uma pequena parte do enquadramento, sendo mais especifico na área indicada. Sua ênfase se distribui de 3% a 5% do enquadramento

image058

 

Indicado em: Nas fotografias de eventos, como um casamento por exemplo , o vestido branco da noiva ou até mesmo um terno preto podem enganar o fotômetro da câmera. A pequena área do spot deve ser mirada no rosto da pessoa e com o foco travado refaça o enquadramento e termine de clicar. O spot também serve para fotometrar o cartão cinza (ver mais adiante).

Cuidados: Esse modo é muito difícil de ser domado. Ele causa enormes variações no resultado da medição por causa da pequena área analisada.

image060

 

Compensação da Exposição

Há ambientes que a interpretação do fotografo é fundamental mesmo com três modos para medir a luz. Em certas situações o fotômetro pode se enganar, apesar dele indicar 0 EV “leitura média”, a leitura da luz pode não condizer com cena observada. Esse erro pode ocasionar até 2 pontos acima ou abaixo da exposição desejada. Na maioria das vezes quando a foto fica superexposta ou subexposta, evidencia a leitura mal interpretada. Para contornar esse erro devemos entender o cinza médio atua em determinadas situações.

image062

Fotometrar a cena com o modo Multizone/Avaliativo com 0EV está equivocado pois o que era para ser preto fica cinza. Neste caso -2EV está correto.

image064

Note o que era para ser branco fica cinza. Neste caso +2EV está correto.

Percebemos que tanto o preto quanto o branco ficam cinza, por causa da característica do fotômetro que calcula tudo para uma tonalidade média (cinza).Fique atento com praias; neve ; grandes cachoeiras entre outros.Esses ambientes tendem a uma subexposição, e também com florestas ou pessoas vestidas de preto, esses casos tendem a superexposição.

Cartão Cinza

Em cenas de muito contraste e complicadas de achar algum tom médio a maneira mais indicada é usar o cartão cinza 18%, que é encontrado em lojas fotográficas. Com ele você terá uma ótima referencia para expor bem a foto.O segredo é que se você fotometrar o cartão cinza, a leitura da luz é igualmente distribuída entre 50% refletida e 50% incidente. Comparando a refletância da cena com o cartão, você compensa os pontos abrindo ou fechando o diafragma ou alterando a velocidade do obturador para corrigir a leitura. Lembre-se faça uma leitura da cena, e compare com o cartão evitando que ele fique embaixo de sombras e reflexos e estando na mesma luz que ilumina o objeto que você quer fotografar.

image066

Cartão Cinza

Procure um Tom médio

Se você esquecer do cartão cinza e a cena a ser for muito contrastada ou difícil de fotometrar,com o modo de fotometria ‘center weighted’ procure a possibilidade de encontrar um tom médio perto do local e que esteja sob a mesma luz que banha o assunto. Faça a fotometria desse tom e volte para a composição inicial.

Exemplo:

index_image069image070

Exemplos de “high-key”, que são fotos bem claras ou com estouros.

Histograma

 Não confie totalmente no LCD da câmera

Normalmente a tela LCD é altamente descalibrada, muito saturada e contrastada, enganando o fotógrafo exibindo uma imagem um pouco diferente da realidade. Quando a foto é transferida para o computador com o monitor calibrado, percebe-se a diferença. Em situações complicadas de fotometria, se você não tiver o cartão cinza e nem confia totalmente na compensação, a melhor coisa a se fazer é observar o histograma,

Procure no manual da sua câmera como habilitar o histograma. Ele geralmente é acionado no modo de visualização da foto.

Compreender o histograma é um passo importante na análise da exposição da foto. Um histograma pode dizer se a exposição foi ineficiente mostrando na forma de gráfico a equivalência de cada pixel com sua luminosidade que o sensor captou. Através dos valores tonais representados no histograma eles nos mostram a intensidade de um estouro do branco em uma foto, ou se a mesma ficou subexposta.. Por isso através do seu entendimento você facilmente corrige a exposição.

Antes de bater uma foto observe contraste da cena e imagine a representação das tonalidades no gráfico. Pode parecer complicado, mas não é, com treino o fotógrafo acostuma a relacionar o histograma com a cena. Assim como na exposição, não há um “histograma ideal” ao qual a imagem deve seguir, o histograma deve representar a faixa tonal que o fotografo quer captar. Os tons são mostrados no histograma da seguinte forma:

index_image073

image074

 

A foto apresenta a faixa com predominância do tom médio e não conter um contraste extremo de altas luzes e áreas muito escuras.O Situação abaixo indica uma situação bem extrema de contraste com área de sombra e áreas claras Sempre há situações em que é possível retratar cenas com grande intensidade de sombras e brilho

image077

 

image078

 

Gostou? compartilhe este post para suas amigos compartilhando o link nas redes sociais ou em blogs:

https://olhar360graus.com.br/curso-fotografia-digital/

Ir para:

Capítulo 3 – Photoshop – Técnicas aplicadas à fotografia

This Post Has 0 Comments

Leave A Reply

You must be logged in to post a comment.

Menu